Ir para o conteúdo

Relações Comerciais

 

COMÉRCIO BILATERAL BRASIL-GRÉCIA

Comércio Bilateral Brasil-Grécia (US$ milhões FOB)
2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011
Exportações 173,50 247,50 370,20 332,10 202,80 175,14 191,4
Importações 26,50 59,20 41,20 66,90 34,90 67,81 103,1
Saldo comercial 146,80 188,30 329,00 265,20 167,90 107,33 88,22
Corrente comercial 200,32 306,69 441,38 398,88 237,77 242,96 294,5

 

 

1         De acordo com os dados do sistema ALICE (SECEX/MDIC), a corrente de comércio entre o Brasil e a Grécia alcançou, em 2011, o valor de US$ 294.5 milhões, representando um aumento de 21,24 % em relação ao ano de 2010.  A Grécia posicionou-se, em 2011, como 84º  país de destino das vendas brasileiras, com uma participação de 0,07% no total das exportações brasileiras.

 

2          A balança comercial bilateral vem registrando superávits constantes, embora decrescentes, a partir de 2007 (US$ 188,30 milhões em 2006, US$ 328,92 milhões em 2007, US$ 265,20 milhões  em 2008, US$ 167,90 milhões em 2009, US$ 107,33 milhões em 2010  e US$ 88,22 em 2011). O decréscimo das exportações brasileiras em 2011 (9,28%) foi ligeiramente inferior ao  registrado em  2010 (13,65%) mas superiores aos índices de comércio da Grécia com o mundo que sofreram descréscimo de 7,89% em 2010 e 4,14% no período de janeiro a setembro de 2011, segundo  dados obtidos no World Trade Atlas.

 

 

3          Em 2011, as exportações brasileiras para a Grécia aumentaram em 9,28% somando US$  191.4 milhões contra  US$ 175.1 milhões em 2010.   As importações brasileiras provenientes da Grécia quase que triplicaram nos três últimos anos (US$ 34.94 em 2009, US$ 67,81 em 2010 e 103,17 em 2011).  Apesar do expressivo aumento das importações provenientes da Grécia nos últimos anos,  o saldo comercial no ano passado (US$ 88.22 milhões) continuou sendo favorável ao Brasil.

 

4         Dos US$ 191.4 milhões exportados pelo Brasil para a Grécia em 2011, US$ 145.49 milhões corresponderam a produtos básicos (acréscimo de 9,07 %  em relação a 2010), US$ 6.25 milhões a produtos semimanufaturados (acréscimo de 22,69% em relação a 2010) e US$ 38.13 de manufaturados (acréscimo de 9,82% em relação a 2010).

 

5          Os principais produtos exportados para a Grécia em 2011 foram:  café não torrado, não descafeínado, em grão (no montante de US$ 83,38 milhões e correspondendo a 43,56% do total das exportações); soja (dois itens, totalizando US$ 30,26 milhões); fumo (dois itens, totalizando US$  22,39 milhões); bauxita não calcinada (no total de US$ 6,26 milhões) açúcar (dois itens, totalizando US$ 12,1 milhões); calçados (seis itens, totalizando US$ 5,63 milhões);  lâminas de ferro (US$ 2,62); veículos (no total de US$ 2,46 milhões); outros óleos de algodão (no total de US$ 2,27 milhões); medicamentos (US$ 1,83); algodão (US$ 1,59);  dentifrícios (US$ 1,14); e pneus novos para motocicletas (no total de US$ 983 mil).

 

6          Dentre os principais produtos exportados para a Grécia, observa-se, em relação a 2010, crescimento significativo nas exportações de açúcar: o grupo açucares de cana e beterraba apresentou aumento de 414% enquanto o grupo de açucar de cana, 44,5%. Por outro lado, foram registrados os seguintes descréscimos nas exportações de café solúvel (redução de 45,2%), bagaços e outros resíduos de soja (67,5%) e  fumo tipo Burley (67,5%). As exportações de calçados também sofreram descréscimos em vários de seus subgrupos: calçados de sola de couro (descréscimo de 67,8% em relação a 2010), calçados de sola de couro (redução de 49,48 %) e outros calçados de plástico       ( 55,4%).

 

 

7          O comércio bilateral greco-brasileiro não apresentou mudanças significativas no último ano. A participação do Brasil na pauta grega manteve-se em torno de 1% e ficou concentrada em cinco  produtos (café, fumo, soja, açúcar e minério de alumínio). A variação percentual da corrente bilateral de 2011 cresceu 21,24% em relação ao ano anterior enquanto a variação de 2010/2009 havia sido de 2,18%. O aumento da corrente comercial deveu-se sobretudo ao crescimento expressivo das exportações gregas para o Brasil (52,14%) bem como ao aumento em 9,28% das exportações brasileiras para a Grécia.

 

 

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS PARA A GRÉCIA

 

O volume das exportações brasileiras para a Grécia não sofreram mudanças significativas nos últimos anos. Na última década, a participação do Brasil no total das importações gregas tem sido em torno de 1% e está concentratada em poucos produtos. Em 2011, por exemplo, apenas cinco ítens foram responsáveis por cerca de 80% do total exportado para a Grécia: café (43.63% do total das exportações), soja (15.81%), fumo (11.77%), açúcar (6.36%) e minério de alumínio (3.27%).

 

 

 

EXPORTAÇÕES GREGAS PARA O BRASIL

 

As exportações gregas para o Brasil quase que triplicaram nos três últimos anos (US$ 34.9 milhões em 2009, US$ 67.8 milhões em 2010 e  US$ 103.1 milhões em 2011). Em 2011, seis produtos foram responsáveis por mais de 80% do total exportado para o Brasil: naftas para petroquímica (50.64% do total exportado), mármores e travertino (10.07%), nitrato de amônia (7,32%), cimento/clinkers(5,45%), correias de borracha vulcanizada (2,77%), lâminas de barbear (2,72%) e óleo de oliva (2,68%).

 

 
Crédito: Embaixada Brasileira